• Nenhuma categoria

A criação de Codornas Japonesas (coturnix coturnix japonica) é um investimento promissor e vem se destacando nos últimos anos devido ao aumento na procura pelos consumidores por uma alimentação mais saudável, bem como pelo retorno rápido devido as aves crescerem, se reproduzirem e estarem prontas para o abate( machos e descarte) a partir de 45 dias de vida, de precisarem de muito pouco espaço e pequeno consumo de ração para produzirem os ovos.

Tornando-se mais atrativas, se levado em consideração que na área ocupada por 01 Galinha podem ser alojadas até 45 Codornas; e este plantel composto por fêmeas produzirá diariamente ovos com 10 a 12 gramas cada um, equivalente a 10 ovos de galinhas; com uma produtividade em torno de 80%.

Como características, apresenta desenvolvimento muito rápido, onde seu peso inicial é em torno de 7,5 a 10 gramas, em quatro dias já esta com o dobro do seu peso, em oito dias triplica e com 28 dias pesa mais de dez vezes o seu peso inicial, chegando entre 120 a 180 gramas na fase adulta.

O início da maturidade sexual da Codorna fêmea para produção de ovos ocorre a partir de 45 a 50 dias de idade, caracterizando um ciclo reprodutivo de 12 a 13 meses (fase comercial), com uma postura regular em torno de 80%. Após este período devem-se descartar as fêmeas para abate, renovando-se o plantel.

Os ovos das codornas são grandes em relação ao tamanho corporal, correspondendo a aproximadamente 8,0% do seu peso corporal. As Codornas japonesas fêmeas são maiores que os machos, em torno de 10 a 20%; isto ocorre devido ao aparelho reprodutor ser muito desenvolvido.

A codorna japonesa não canta apenas o macho emite um canto como um assobio.

No aspecto morfológico, a codorna japonesa tem um peito largo e abdômen amplo, ossos frágeis, atingindo de 11 a 13 cm de altura. A cabeça possui grande mobilidade e o pescoço curto possibilita giro quase completo. Sua rusticidade, alta resistência a grande diversidade de doenças, são pontos fundamentais para o sucesso da criação.

Os machos apresentam o peito com pigmentação avermelhada( na foto mais ao fundo), enquanto que as fêmeas( na foto a frente do macho) têm o peito cheio de pintas mescladas escuras e claras (carijó).

As variações na fisionomia entre codornas machos e fêmeas ficam mais visíveis a partir dos 15 dias de idade, permitindo a sexagem com maior facilidade. No macho observando-se uma espuminha branca nas fezes.

O ambiente para instalar a criação deve ser calmo, livre de ruídos para não estressar as aves que são muito sensíveis, isento de corrente de ar, com temperatura ideal entre 18 a 22° C, boa ventilação para circular e renovar o ar eliminando: o excesso de umidade, o calor e os gases tóxicos(gás carbônico e amônia) formados pelo metabolismo das aves.

 

INTRODUÇÃO:

Coturnicultura – é a atividade de criação de Codornas, ligada a avicultura moderna; que, além de ser uma alternativa para a alimentação humana, possibilita uma rápida reversão do capital investido. Socialmente torna-se uma alternativa na produção animal, pela rapidez no retorno de capital, baixo investimento, utilização de pequenas áreas e baixos gastos com mão-de-obra. Seus principais produtos são a carne de alta qualidade a os ovos cada vez mais apreciados pelos consumidores.

Não há estatísticas a respeito da Coturnicultura; mas, sabe-se que um número elevado de pessoas entraram comercialmente nesta atividade nos últimos anos com muito sucesso; mas, também existem os fracassos e a principal explicação é a falta de levantamento do mercado na região ou área de comercialização, definindo estudos para a colocação dos produtos no mercado; e, somente após isso, dimensionar a sua criação.

 

ORIGEM DA CODORNA

A codorna existe desde a antiguidade na Europa como ave migratória – de plumagem cinza-bege e pequenas listas brancas e pretas – foi levada primeiramente para a Ásia – China, Coréia; e, depois, para o Japão. A codorna, hoje criada em cativeiro , é o resultado de vários cruzamentos efetuados, no Japão e na China, a partir da subespécie selvagem Coturnix coturnix, de origem europeia.

Já no ano de 1300 d.C. a codorna foi domesticada pelos japoneses em função do canto melodioso dos machos. Na primeira década do Século XX os japoneses conseguiram, após inúmeras tentativas, promover sua criação de forma racional, em pequenas gaiolas, com produção em série, com vistas à exploração comercial da Coturnix coturnix japonica, a qual se conhece como Codorna doméstica ou Codorna Japonesa.

Graças à sua alta fertilidade, abundante postura de ovos e exigência de pouco espaço para seu confinamento, mais a facilidade de transporte, a codorna tornou-se uma das principais fontes de alimentação para os vietnamitas durante a guerra contra os Estados Unidos.

No Brasil, as codornas foram trazidas por imigrantes italianos e japoneses na década de 50. A partir daí sua produção vem se consolidando, tornando-a uma importante alternativa alimentar no país.

A atividade já foi considerada doméstica; mas, com os avanços tecnológicos e modernização da produção de animais esta atividade tornou-se uma alternativa de diversificação agropecuária muito rentável, quando tratada de maneira profissional.

Apesar da coturnicultura no Brasil estar concentrada na sua maioria em pequenas produções, pode-se possuir um ciclo fechado; isto é: reprodução, incubação e acabamento. Não existe ainda no Brasil, uma seleção do material genético; ou melhor, não existe alguma “linhagem” específica para codorna de postura e codorna para reprodução. Para evitar quedas no desempenho, os matrizeiros devem, constantemente trazer linhagens novas de outros países.

A exploração da codorna para corte é pequena e deve aumentar com a mudança de hábito pelos consumidores que estão aceitando este tipo de carne exótica, apesar do preço alto no mercado pela pouca oferta. As codornas que têm sido vendidas para consumo são os machos que não são utilizados na reprodução e as fêmeas após o ciclo de produção de ovos (aves de descarte).

 

CRIAÇÃO DE CODORNAS E POSSIBILIDADES COMERCIAIS:

Na criação de Codornas as grandes possibilidades de exploração são:
– produção de carne,
– produção de ovos in natura,
– produção de ovos em conserva,
– produção de ovos descascados para restaurantes e buffets,
– produção de codorninhas de 01 a 30 dias de idade.
– Produção de adubo orgânico ( compostagem).

O preço de comercialização dos ovos e da carne oscila muito em função dos custos da ração e dos produtos veterinários; mas, em qualquer situação, é sempre mais rentável comparando-se com o do frango.

 

VANTAGENS DA CRIAÇÃO:
– Rápido crescimento;
– Precocidade sexual;
– Alta produtividade;
– Elevada rusticidade;
– Baixo consumo alimentar;
– Pouco espaço para alojar;
– Retorno rápido do investimento.

 

TIPOS DE CRIAÇÃO:

A criação de codornas pode ser de dois tipos:

– Criação Comercial: É aquela feita em escala industrial, onde o objetivo do criador será a comercialização do produto final: ovos e carne.

– Criação Doméstica: É aquela feita em residências ou em apartamentos, não exige um rigor técnico acentuado, porém, são necessários alguns cuidados básicos, como por exemplo com os dejetos.

 

ESTRUTURA

A estrutura básica deve contar com uma boa disponibilidade de área: barracão, galpão de alvenaria. O forro desta construção pode ser tábua, as paredes devem ser caiadas e o chão de barro, tijolos ou cimento. As aves ficam acomodadas em gaiolas, fundamental ter água de boa qualidade, clima favorável, boa luminosidade, local livre de ruídos e correntes de ar; lembrando que, estes requisitos são indicados para o empreendedor que deseja ter uma criação comercial. A estrutura deverá se construída em função das exigências ambientais das aves, proporcionado ótima condição de conforto para que estas expressem ao máximo seu potencial genético de produção.

 

INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS

Irão variar de acordo com o tipo de criação, ou seja, doméstica ou comercial, porém, se torna válido citar alguns tipos de instalações e equipamentos:
– Galpões Fechados (laterais). Apresenta um alto custo, além do que não podem ser muito grandes e largos, pois dificultam a circulação de ar, recomenda-se que se tenha várias janelas.
– Galpões Abertos (laterais). Apresentam maior economia quando implantados em regiões de alta temperatura, porém, deve-se controlar a temperatura durante o inverno.
Este tipo de instalação exige telas nas laterais, a fim de evitar a fuga das aves e impedira entrada de predadores.
– Telhados. Influência na temperatura interna do galpão, as telhas de barro oferecem maior conforto térmico, porém, exigem maior gasto com madeiramento, por outro lado,as telhas de cimento amianto são de custo mais baixo, porém, aumentam a temperatura interna.
– Piso. Pode ser de cimento rústico ou outro material, deve apresentar uma pequena declividade para facilitar a limpeza.
Gaiolas para Postura. Possibilita um melhor controle produtivo das aves, recomendam-se as gaiolas de arame galvanizado, são padronizadas nas medidas 1,00 m x 0,50 m x 0,18 m (comportando 45 aves) com três repartições.
Pode-se utilizar gaiolas de madeira (com fundo de arame), tem como vantagem o baixo custo; porém, podem causar problemas de retenção de fezes nas laterais, o que aumenta a umidade e requer muito mais atenção na limpeza demandando mais tempo e mão-de-obra.
– Gaiolas de Recria ou Criadeiras: São utilizadas na fase intermediária de crescimento. As aves são alojadas com 01 dia de vida e saem quando atingem os 30 dias de idade, quando serão alojadas nas Gaiolas.
Bebedouros. O mais comum é o do tipo nipple; pois é automático e possibilita obter melhor qualidade da água, economia na sua administração e maior controle nos medicamentos; sendo o mais utilizado o do tipo Copinho, por manter a Bandeja coletora de esterco mais seca.
Comedouros em chapa galvanizada com 1,00m de comprimento e perfil com inclinação de 45⁰ graus na parte externa para evitar o desperdício de ração. Geralmente vem junto com a gaiola.
Bandejas de dejetos. Possibilita a retenção dos dejetos das gaiolas, quando o sistema utilizado é de Bateria ( isto é, uma Gaiola sobre a outra apoiadas em suportes laterais, formando andares). No sistema de Pirâmides ou Escada, não são utilizadas.

 

SISTEMAS DE CRIAÇÃO

Existem três tipos:

1-Criação Sobre Camas. É o de menor tecnologia, consiste basicamente em criar as aves sobre um material absorvente, denominado cama, geralmente de sabugo de milho picado, casca de arroz ou aparas de madeira. Utilizado na fase inicial das aves até 30 dias devido a muita perda de ovos quando começam a postura.

2-Criação em Gaiolas no Sistema de Baterias. Muito utilizado na fase de crescimento a partir de 30 dias e na fase de postura. Este nome bateria é dado ao conjunto de gaiolas, alojadas em suportes laterais, uma sobre a outra, formando andares.

3-Criação em Gaiolas no Sistema escada ou Pirâmide. É o sistema de criação que consiste no uso de gaiolas de arame galvanizado, idênticas as utilizadas no sistema de baterias, fixadas de maneira a dar a impressão de uma escada ou pirâmide. Apresenta como desvantagem seu alto custo.

MANEJO DA CRIAÇÃO DE CODORNAS

MANEJO DE REPRODUÇÃO:

O acasalamento pode ocorrer durante o ano inteiro e se dá na proporção de 1 macho para 3 fêmeas para conseguir boa porcentagem de fertilização dos ovos.
Devido à grande sensibilidade das codornas à consanguinidade, com marcados efeitos nocivos, recomenda-se evitar os cruzamentos entre parentes próximos.
Não existe ainda no Brasil, uma seleção do material genético, ou melhor não existe alguma “linhagem” específica para codorna de postura e codorna para reprodução. Para evitar quedas no desempenho, os matrizeiros devem, constantemente procurar linhagens novas de outros produtores para melhorar o plantel.
Os ovos férteis/galados de codornas podem ser incubados naturalmente com galinhas anãs ou garnisés, muito embora seja um método de pouca eficiência, devido às grandes perdas. O mais recomendável é através da incubação artificial, utilizando chocadeiras manuais ou digitais.
Os ovos férteis/galados devem ser armazenados a uma temperatura entre 10 e 16 graus e com umidade relativa entre 75 e 80%, por um período máximo de 7 dias; e, devem ser movimentados diariamente para garantir uma boa taxa de eclosão.

A incubação dos ovos de Codorna Japonesa dura 17 dias.

 

MANEJO DA CODORNINHA:

Após a eclosão, as Codorninhas deve ser mantida em jejum por 24 horas. A partir deste período serão levadas para uma criadeira com aquecimento inicial de 37,8⁰C, onde receberão ração inicial contendo 26% de proteína bruta e que deverá ser oferecida à ave até 30 dias de idade. A água deve ser a vontade, tomando-se o cuidado de molhar o bico de algumas codorninhas para que estas indiquem para as outras onde beber a água. A partir do terceiro dia de vida, procede-se à redução diária de 1ºC até que a temperatura se torne ambiente.

O piso da criadeira deverá ser forrado com papel rústico ou saco de algodão durante os três primeiros dias de vida. A ração inicial será distribuída na própria forração feita por sobre o piso e a vontade; a partir deste período será oferecida em coxinhos do tipo bandeja.

Os bebedouros manuais devem ser lavados e a água trocada, no mínimo, três vezes ao dia; sendo mais recomendados os bebedouros automáticos Copinho infantis onde os pintinhos terão água fresca e limpa em abundância.

 

MANEJO DE RECRIA:

A recria compreende o período entre 16 e 45 dias de idade. Nesta época, as aves continuam recebendo ração e água à vontade; e, com 30/35 dias de idade , as fêmeas podem ser alojadas em gaiolas; e, será feita a troca da ração inicial para a ração de postura.

 

MANEJO DE POSTURA:

A quantidade de ração por ave deve ser de 30 a 35 gramas, e a água deverá ser fornecida a vontade. Para um índice elevado de postura, o ambiente da criação das codornas em produção deve ser bem iluminado por 17 horas, preferencialmente por luz natural; e, quando necessário auxiliar com lâmpadas de 15 watts, sendo uma para cada 5,00 m2 de galpão, barracão ou instalação.

 

MANEJO DOS OVOS:

Os ovos que serão comercializados deverão ser colhidos duas vezes ao dia. A primeira coleta realizada pela manhã e a outra no final da tarde. Eles devem ser acondicionados nos pentes próprios, mantidos sobre refrigeração, para que as suas qualidades nutritivas sejam conservadas.

 

ALIMENTAÇÃO:

É constituída basicamente da:

– Ração. Há no mercado rações fareladas de uso exclusivo de codornas e de pintinhos de codorna. Após a eclosão, deve ser mantido em jejum durante 24 horas. A partir deste período receberá ração inicial à vontade. Esta ração contendo 26% de proteína bruta deverá ser oferecida à ave até a idade de 30/35 dias, a partir daí começarão a receber ração de engorda e de 45 dias em diante quando os machos e descartes serão levados ao abate e as fêmeas para a produção de ovos. O consumo estimado no período é de 500 gramas por aves. A partir de 45 dias, as fêmeas receberão a ração de postura com cerca de 23% de proteína bruta. Devem ser oferecidos, diariamente, entre 30 a 35 gramas desta ração por ave.

A ração deve ser armazenada em local seco e fresco, não ter contato direto da embalagem com o piso e não ser guardada por período superior a 30 dias. Deve-se evitar, ainda, que seja atacada por roedores.

– Água. A água deve ser potável e sempre à vontade.

A ração alimentar fornecida às codornas é o alimento ou alimentos que devem ser fornecidos durante as 24 horas do dia e tem como objetivo satisfazer as exigências para a manutenção da sua vida e para suprir as necessidades da sua produção. Para isso, ela deve:
– ser fresca, com todos os seus componentes em perfeitas condições de conservação;
– conter todos os princípios nutritivos (protídeos, glucídios, lipídios, sais minerais e água) em qualidade e quantidades suficientes para atender a todas as necessidades energéticas e plásticas do organismo. Deve, ainda, ter uma relação nutritiva de acordo com a espécie, idade ou produção a que for destinada. Além disso, deve estar isenta de qualquer princípio tóxico ou nocivo; – possuir as vitaminas indispensáveis para o crescimento e desenvolvimento dos processos vitais;
– possuir um volume proporcional à capacidade digestiva e de assimilação do aparelho digestivo das codornas; – que seja adaptada ao tipo de produção das codornas, ou seja, carne e ovos; – ser o mais barata possível, naturalmente, dentro do seu maior valor nutritivo.

A ração pode ser dividida em 2 grupos:

– ração de conservação, manutenção ou fisiológica : constituída pelos alimentos dados às codornas, durante 24 horas, para mantê-las sem executar nenhum trabalho zootécnico; ou seja, é a ração de manutenção ou do metabolismo basal;
– ração de produção ou industrial : constituída pelos alimentos que devem ser adicionados à ração de manutenção, para satisfazer as necessidades de crescimento, engorda, postura, etc.,sendo chamada, por esta razão, de ração de crescimento, de engorda e de postura.
Determinar até onde vai a ração de manutenção e começa a de produção é muito difícil embora, no caso das codornas, o problema de alimentação seja mais de produção do que de conservação.

Para que a ração de produção seja completa, deve ter 3 classes de alimentos:
– o alimento básico ou essencial, que constitui a ração fisiológica ou de sustentação;
– o alimento concentrado ou complementar, rico em proteínas (soja, farinha de carne, etc.),que é adicionado à ração para atender às necessidades produtivas do animal e
– o alimento auxiliar ou lastro, que serve para dar volume à fórmula alimentícia e que, em geral, é celulósico, como os farelos de trigo, de arroz, etc.
Outro fator muito importante em uma ração é a sua relação nutritiva, ou seja, a proporção entre a matéria nitrogenada do alimento e seus outros componentes, o que pode influir também sobre o valor nutritivo da ração.

Não devemos esquecer, ainda, de que a preparação e a conservação dos alimentos influi, de maneira acentuada, sobre o seu valor nutritivo. A limpeza das rações, trituração, maceração, cocção, panificação, fermentação, germinação, condimentação, etc., são métodos de preparação dos alimentos que os tornam mais digestíveis, nutritivos e econômicos.

O preço é um dos fatores mais importantes no preparo de uma ração que,necessariamente, deve se tornar economicamente viável, sem comprometer o lucro do criador. Desta forma, dentro do possível, podem ser feitas substituições de seus componentes.

O consumo alimentar das Codornas é altamente influenciado por vários fatores como: taxa de postura, peso dos ovos, peso corporal, temperatura ambiente, idade das aves, número de aves por gaiola e constituição genética.

Os comedouros devem estar sempre com ração disponível, pois estas possuem baixa habilidade em estocar proteína, necessitando de um consumo diário. As rações devem ser formuladas para suprirem as necessidades diárias de proteína, aminoácidos essenciais, energia, vitaminas e minerais.

Importante: A mudança brusca de ração afeta ou mesmo faz com que as Codornas suspendam a postura e até entrem em troca de penas.

 

PREVENÇÃO DE DOENÇAS.

Constituem-se práticas que contribuem para a saúde dascodornas a limpeza e a higienização do ambiente da criação, a limpeza frequente dos bebedouros e comedouros, assim como, a retirada periódica das fezes nas bandejas coletoras.

Importante: Deve-se lavar e desinfetar a bateria ou a gaiola toda vez que for retirado um lote de aves para renovação do plantel. Fazer o vazio sanitário de pelo menos 15 dias após a desinfecção das instalações.

– Vacinação. As codornas devem ser vacinadas contra as doenças de Newcastle e Coriza, por se constituírem naquelas de maior importância econômica.

* Vacinação de Newcastle:
– 1ª dose. Aos 21 dias de idade, vacina vírus vivo, amostra La Sota – via ocular, instalando-se uma gota de vacina no olho.
– 2ª dose. Aos 45 dias de idade, vacina vírus morto, oleosa –via injetável, no músculo do peito, ou subcutânea, na dose de 0,5ml (meio mililitro).
* Vacinação de Coriza Infecciosa:
– 1ª dose. Aos 28 dias de idade, vacina amostra morta, a absorvida em hidróxido de alumínio – via injetável, no músculo do peito ou subcutânea, na dose de 0,5ml.
– 2ª dose. Aos 45 dias de idade, vacina amostra morta, emulsão oleosa – via injetável, no músculo do peito ou subcutânea, na dose de 0,5ml.
– Vermifugação . Aos 30 dias de idade, vermifugar as aves, através da ração, com drogasà base de mebendazole. Repetir a medicação 3 semanas após. A dosagem deverá ser o dobro daquela recomendada a galinhas.

Importante: consultar um zootecnista ou médico veterinário. Aplicar corretamente as vacinas e medicamentos necessários.

 

MERCADO

A criação de codornas (coturnicultura) tem apresentado um desenvolvimento bastante acentuado nos últimos tempos. Os principais fatores que contribuem para isso são: o rápido crescimento da ave, maturidade sexual precoce, alta produtividade, grande número de aves em um pequeno espaço, longevidade na produção, baixo investimento, rápido retorno financeiro, além do excepcional sabor exótico de sua carne, responsável por iguarias finas e sofisticadas, podendo se tornar uma fonte de renda complementar dos pequenos produtores rurais.

Do lado técnico-econômico, torna-se ainda mais atrativa, ao verificar-se o rápido crescimento e atingimento da idade de postura, a elevada taxa de fecundidade, o pequeno consumo de ração e a rusticidade( alta resistência a doenças).

 

DIVULGAÇÃO

O ditado popular diz que a propaganda é a alma do negócio, devemos nos preocupar em comunicar sobre nossos serviços tanto com os clientes externos quanto com os internos que no caso são seus próprios parentes, vizinhos e funcionários.

Você precisa atingir os consumidores e garantir as vendas, para isso deverá planejar o seu marketing, obtendo uma noção realista dos custos de seus serviços, adaptando e otimizando os recursos para melhor posicionar os seus serviços, motivando os consumidores e estruturando sua comercialização de modo a atingir seu mercado-alvo com sucesso. O marketing deve ser contínuo e sistemático, sempre com o foco no cliente potencial.

Num plano de marketing é importante o conhecimento de elementos como preço, produto (serviço), ponto (localização) e promoção. Avaliar os desejos e necessidades de seus clientes ou usuários em relação as principais características de seu comportamento de compra que são: funções, finanças, facilidade, feeling (sentimentos) e futuro(cliente fiel). Por final utilizar todas as informações sobre os clientes para melhor satisfazê-lo e atender todos os seus desejos e expectativas.

 

LOCALIZAÇÃO

Na escolha da localização deve-se levar em consideração a facilidade de abastecer a granja com os insumos necessários, o escoamento da produção e a facilidade de acesso aos consumidores.

O clima da região escolhida não poderá ter bruscas variações climáticas nem ter altas taxas de umidade relativa do ar.

O local escolhido deverá ter boa ventilação, ser provido de energia elétrica, não deve correr risco de alagamento nem exposição a ventos encanados. É fundamental que tenha boa qualidade na fonte de água fornecida às aves, caso contrário poderá afetar na criação.

Geralmente criações deste tipo são aconselháveis em áreas rurais. Porém este fator irá depender das prefeituras de cada localidade, cada uma terá seu plano diretor urbano (PDU).

Lembre-se que a atividade econômica da maioria das cidades é regulamentada em conformidade com um (PDU). É essa lei que determina o tipo de atividade que pode funcionar no imóvel ou no local escolhido para a instalação da empresa. Esse deve ser o primeiro passo para avaliar a implantação de sua empresa – maiores informações consulte a prefeitura de sua cidade.

 

INVESTIMENTO

Irão variar de acordo com o tipo de criação doméstica ou comercial; e o porte da estrutura a ser adotada.

 

COMERCIALIZAÇÃO

Qualquer criação comercial tem por objetivo o lucro. Na criação de codornas, seja para a produção de ovos, produção de carne ou pintos de um dia ou intermediários de 30 dias de idade, não poderia deixar de ser diferente. Por ser uma criação exótica, existem alguns fatores para os quais o criador deve se atentar, são eles:
– Considerar que o consumo de produtos é maior nos grandes centros urbanos;
– Regiões onde existam cooperativas que tenham atividades relacionadas à avicultura, principalmente de postura, poderão ser um excelente meio de escoar a produção, por estarem envolvidas na comercialização de ovos;
– A venda para atacadistas também é uma forma de escoar a produção. Neste caso, é possível a associação entre o produtor e o comerciante, ficando cada um com a sua responsabilidade;
– A comercialização direta ao consumidor é vantajosa para pequenas criações (5.000 aves poedeiras, por exemplo), por permitir maior lucratividade. Esta vantagem, no entanto, diminui quando são granjas maiores, devido aos custos envolvidos na
comercialização do produto.

 

CRIAÇÃO DOMÉSTICA

Se o objetivo é ter uma criação pequena no fundo de casa, ela pode ser iniciada com codorninhas de 1 a 30 dias. Outra opção é começar com algumas matrizes e reprodutores e depois selecionar, em cada geração, os machos e fêmeas mais robustos, para dar origem a novos reprodutores. Não há muito rigor técnico para a criação doméstica, pois, geralmente, o objetivo do criador é o de obter ovos para seus familiares e ter as aves como um hobby; porém, para alguns o objetivo é gerar renda extra para complementar a renda familiar. Contudo, mesmo nestas condições, são necessários todos os cuidados. Os dejetos, por exemplo, precisam ser adequadamente eliminados, pois o seu acúmulo irá ocasionar a proliferação de moscas ou outros insetos e mau cheiro em excesso. Para solucionar o problema, utiliza-se efetuar a secagem dos dejetos em local preparado para fazer uma compostagem misturando-o com terra e transformando em Adubo orgânico, e em mais uma fonte de lucro; onde se aplica que “ Na vida, nada se perde, tudo se transforma”.
As gaiolas existentes no mercado podem ser utilizadas neste tipo de criação, com pequenas modificações quando necessário, dependendo da quantidade de aves no plantel, existindo no Mercado produtos desenvolvidos para atender todos os tipos de criadores.

 

RESUMO:

Fatores indispensáveis para atingir objetivo na Criação de Codornas:
1- Higiene
2- Água sempre limpa e fresca em abundância
3- Alimentação correta e a vontade
4- Boa instalação
5- Manejo apropriado
Tendo realizado esses 5 fatores já terá 80% de sucesso garantido.
Não poderá esquecer de que a instalação precisará ser em local seco, clima ameno, bem ventilado, sem correntes de ar, vento; e livre de ruídos.

 

LEMBRETE

Alguns fatores que devem ser considerados por parte do empreendedor:
– Manter um controle rígido de qualidade e conhecimento, por parte do criador, das principais características do animal são fundamentais;
– bem como o planejamento são importantes para se obter sucesso na produtividade,uma vez que a viabilidade econômica dos investimentos está intimamente ligada com o profissionalismo e dedicação do criador.

 

Dados Zootécnicos da Codorna Japonesa:

  • Peso do pinto ao nascer: 7,5 a 10 gramas
  • Peso da ave adulta: fêmea 150 gramas – macho 120 gramas
  • Início de postura: 45 a 50 dias
  • Período de produção: 12 meses
  • Percentagem de postura: até 80%
  • Ovos por ave por ciclo produtivo: 250 a 300 ovos
  • Peso médio do ovo: 10 a 12 gramas
  • Período de incubação: 16 a 17 dias
  • Idade para abate: 45 dias
  • Peso médio de abate: 120 gramas
  • Consumo de alimento até o abate: 500 gramas

A criação racional de codornas segue regras básicas de manejo, alimentação, sanidade e instalações.

 

Origem das Codornas – Espécies

 

.